ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

134 anos sem Richard Wagner

Última modificação : Segunda, 02 Janeiro 2017 14:17


 

 

O compositor, poeta, dramaturgo e ensaísta Richard Wagner reconstruiu o gênero “ópera” promovendo uma revolução musical e criando uma identidade coletiva. Wagner revolucionou não só a ópera de seu país, mas do mundo. Tornou-a um gênero tão inovador e envolvente que influenciou compositores de todas as épocas seguintes. Em 13 de fevereiro de 1883 morreu devido a problemas no coração. 

 

Continue lendo sobre Richard Wagner: http://j.mp/PXRdqb



INFÂNCIA

Wagner nasceu em 1813 na cidade de Leipzig, Alemanha. Ainda criança se apaixonou por música, teatro e literatura. Aos 11 anos começou a estudar piano e contraponto. Na adolescência, cursou a Faculdade de Música de Leipzig, um dos principais centros musicais da época, mas abandonou antes de se formar. Foi nesta época que começou a compor suas primeiras obras.

 

Confira “O navio fantasma (1841)”: http://youtu.be/_mIqN3qZ-Hw

 

 

OBRAS

Em 1848, Wagner começou a compor “O anel dos Nibelungos”, obra com 18 horas de música com quatro óperas interligadas: O ouro do Reno, A Valquíria, Siegfried e O crepúsculo dos deuses. Sempre dava em suas obras maior destaque à orquestra e escrevia textos de extrema qualidade, além de introduzir o leitmotiv - pequeno tema que identifica musicalmente situações, personagens e sentimentos-, usado pela primeira vez na ópera “Lohengrin” (1848).

 

Em 1869 Wagner retomou o projeto da tetralogia "O anel dos Nibelungos". Convencido de que precisaria de um teatro especial para apresentar aquela obra, Wagner concebeu o Teatro Bayreuth, na Bavária, com o apoio do rei. O teatro foi inaugurado em 1876, com a apresentação do "O anel dos Nibelungos".

 

Confira: http://youtu.be/1aKAH_t0aXA

 

 

NAZISMO

Em 1850 Wagner publicou “O judaísmo na música” - obra que atacava fortemente a influência judia na cultura e na arte alemã. Nela, Wagner retratava os judeus como "ex-canibais treinados como agentes de negócios da sociedade". O nazismo, que dominaria a Alemanha apenas no século 20, elegeu o compositor como um exemplo da superioridade da música e do intelecto alemão. Sua ópera Rienzi era a favorita de Hitler e era usada nos campos de concentração.

 

Dirigiu concertos da Filarmônica de Londres em 1855 e viveu em Zurique até 1858. Wagner acreditava na criação de uma música nacional que, baseada nos mitos de origem do povo alemão e na criação da identidade coletiva, fosse capaz de educar e formar um novo homem, uma nova sociedade. Abertamente antissemita, denunciou a "judaização" da arte moderna, conclamando por uma "guerra de libertação". Talvez por isso tenha sido o compositor preferido de Hitler.

 

Confira uma seleção das melhores composições de Wagner:  http://youtu.be/0EUHnu48DmQ

 

 

TRISTÃO E ISOLDA

Wagner participou da Revolução de Maio de 1849 e precisou exilar-se na Suíça. Durante o período de exclusão, o compositor se apaixonou por Mathilde Wesendonck, esposa do dono da casa onde vivia, o maestro Otto Wesendonck. Quando o músico descobriu a traição da mulher com o amigo, Wagner precisou deixar o país rapidamente. Essa história inspirou a criação de "Tristão e Isolda", uma das tragédias de amor mais famosas entre as obras do compositor.  Influenciado pela filosofia de Schopenhauer, escreveu "Tristão e Isolda"(1857-59), inspirado no seu perdido amor por Mathilde Wesendonk, que causou sua separação de sua esposa Minna. Devido a esse caso amoroso, trocou Zurique por Veneza.

 

Confira: http://youtu.be/8VEqNv6Y-DQ

 


Aqui você encontra as sinopses de algumas obras de Richard Wagner.