ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

Fuga - Era Barroca

Última modificação : Quarta, 10 Setembro 2014 18:04


 

Foi no Período Barroco que a escrita de fugas se tornou uma atividade de composição importante, em parte como uma evidência da competência composicional. Fugas foram incorporadas a uma variedade de formas musicais. Jan Pieterszoon Sweelinck, Girolamo Frescobaldi, Johann Jakob Froberger e Dieterich Buxtehude, todos escreveram fugas e George Friedrich Handel as incluiu em muitos de seus oratórios. Suítes para teclado deste período usualmente concluíam com uma giga em forma de fuga. A abertura francesa tinha uma rápida seção em forma de fuga depois de uma introdução lenta. O segundo movimento de uma sonata da chiesa, conforme escritas por Arcangelo Corelli e outros, era usualmente em forma fugal.

 

O período barroco também viveu a ascensão da teoria musical. O texto mais influente nessa área foi publicado por Johann Joseph Fux (1660-1741), seu Gradus Ad Parnassum ("Passos em direção ao Parnaso"), que apareceu em 1725. Este trabalho descartou a aplicação do termo espécie de contraponto para a fuga e propôs uma série de exercícios para se aprender a escrever uma fuga. O trabalho de Fux foi largamente baseado na prática de Palestrina das fugas modais. Sua influência se estendeu até o século XIX. Joseph Haydn, por exemplo, ensinava contraponto usando seu resumo pessoal do trabalho de Fux e o considerava a base para a estrutura formal.

 

Johann Sebastian Bach (1685-1750) é geralmente considerado o maior compositor de fugas. Ele frequentava concursos em que recebia um sujeito com o qual deveria improvisar espontaneamente uma fuga ao órgão ou ao cravo. Esta forma musical também é aparente nas peças de câmara que ele compôs em Weimar. O famoso Concerto para dois violinos em Ré menor, BWV 1043, embora não contrapontístico em sua inteireza, tem uma seção de abertura na forma de fuga no seu primeiro movimento.

 

As mais famosas fugas de Bach podem ser encontradas no Cravo Bem Temperado, na Arte da Fuga e suas fugas para órgão, geralmente precedidas por um prelúdio ou tocata. A Arte da Fuga é uma coleção de fugas (e quatro cânones) sobre um único tema que é gradualmente transformado à medida que o ciclo progride. O Cravo bem Temperado compreende dois volumes escritos em épocas diferentes, cada um contendo 24 pares de prelúdios e fugas, um par para cada tonalidade maior e menor. Bach também escreveu pequenas fugas e incorporou a escrita em forma fugal em muitas de suas obras que não eram fugas em si mesmas.

 

Embora J.S. Bach, em vida, não fosse muito conhecido como compositor, sua influência se estendeu para o futuro por causa de seu filho, Carl Philipp Emanuel Bach e através do teórico Friedrich Wilhelm Marpurg (1718-1795), cujo Abhandlung von der Fuge ("Tratado sobre fuga", 1753) se baseou grandemente na obra de J.S. Bach.




 

Fonte: Wikipedia.org