ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

YERMA

Última modificação : Quarta, 13 Agosto 2014 17:44


 

HEITOR VILLA-LOBOS (1887-1959)

BRASILEIRO – ESCOLA NACIONALISTA BRASILEIRA - c.1.000


 

Um dos maiores nomes da música em nosso século, Villa-Lobos, em sua vasta e revolucionária obra, só se interessou pelo gênero lírico de maneira intermitente e ocasional. Após duas tentativas iniciais - Aglaia e Elisa -, posteriormente incorporadas àquela que viria a ser sua primeira ópera completa - Izaht -, compôs ainda cinco óperas: Jesus (1918), Zoé (1920), Malazarte (1921), Yerma (1955/1956) e A Menina das Nuvens (1957), além de uma musical com o título de Magdalena (1947). Três delas - Jesus, Zoé e Malazarte - permanecem inéditas; as demais foram encontradas sem contudo entrar para o repertório lírico.


 

Ópera em três atos, composta entre 1955 e 1956, baseada na obra homônima de Federico García Lorca.

 

Estreia: Teatro de Ópera de Santa Fé, Novo México, 12 de agosto de 1971.

Regência de Christopher Keene e coreografia especial de José Limón.

 

Primeira montagem latino-americana: Theatro Municipal do Rio de Janeiro, 26 de maio de 1983.

Regência de Mário Tavares e direção cênica de Adolfo Celi.

 

Existe ainda uma versão em inglês, traduzida por Hugh Ross e Alistair Reid, pois a ópera resultou de uma encomenda de John Blackship, para uma montagem em Nova York com elenco de cantores negros, a qual não se concretizou.

 

Personagens:

. Yerma, soprano

. Juan, tenor - Um camponês, marido de Yerma

. Maria, soprano - Amiga de Yerma

. Victor, barítono - Um pastor

. Primeira velha, soprano

. Segunda velha, mezzo-soprano

. Terceira velha, mezzo-soprano

. Quarta velha, soprano

. Quinta velha, mezzo-soprano

. Cunhada, mezzo-soprano

. Segunda cunhada, mezzo-soprano

. Dolores, mezzo-soprano

. Primeira mulher, soprano

. Segunda mulher, mezzo-soprano

. Fêmea, mezzo-soprano

. Primeiro homem, tenor

. Segundo homem, barítono

. Macho, barítono.

                                     

A ópera é ambientada no Sul da Espanha, perto de Granada.

 

Villa-Lobos criou a partitura de Yerma diretamente sobre o texto original de García Lorca. Se, por um lado, isto contribuiu para a manutenção do clima altamente tenso e dramático da peça, trouxe por outro, uma série de dificuldades relacionadas à compreensão dos diálogos e ao habitual conflito entre o tempo musical e o tempo teatral. Tais problemas, aliados às dificuldades decorrentes do longo litígio a respeito dos direitos autorais de Lorca, impediram que um maior número de montagens fosse realizado. Nas ocasiões em que foi encenada, tanto em Santa Fé, como no Rio de Janeiro e, mais recentemente, em Montevidéu, a obra obteve sucesso de público e crítica favoráveis.

 

 

Vídeo


 

 

 

 

Fonte:

Kobbé - O Livro Completo da Ópera, Jorge Zahar Editor