ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

WEBER, CARL MARIA VON (1786-1826)

Última modificação : Segunda, 30 Março 2015 17:35



ALEMÃO – ÓPERA ROMÂNTICA – 306 OBRAS


Weber foi compositor, maestro e pianista, e sua ópera Der Freischütz marcou o início da ópera romântica alemã, emancipando-a das influências italianas que a subjugavam até então e mostrando como um estilo nacionalista de ópera pode se basear em melodias e contos populares. Weber foi admirado por Beethoven e influenciou Wagner, seu discípulo.


 

Vida. Compositor alemão, Carl Maria von Weber nasceu em Eutin. Oldenburg, a 18 de novembro de 1786, e morreu em Londres a 5 de junho de 1826. Filho de um ex-oficial, empresário de teatros itinerantes e aventureiro, teve Weber desde a infância oportunidade de conhecer por dentro o mundo teatral, mas pouco tempo para estudar com regularidade. O melhor dos seus professores foi, em Salzburg, Michael Haydn, irmão de Joseph Haydn. Weber tornou-se cedo um pianista brilhante e fez sucesso em viagens. Já autor de várias óperas e outras obras musicais, foi em 1813 nomeado diretor musical do teatro de Praga. Nacionalista alemão entusiasmou-se pelo movimento antinapoleônico e escreveu o ciclo de coros patrióticos Leier und Scwert (1814; Lira e Gládio).

 

Em 1817 assumiu a direção da ópera em Dresden, onde entrou em contato com os escritores românticos, sobretudo com Tieck. Um desses românticos, Friederich Kind (1768-1843), escreveu-lhe o libreto da ópera Der Freischütz (1821; O franco atirador), que foi em Berlim um sucesso estrondoso e conquistou a Alemanha e o mundo. Pouco depois, Weber adoeceu de tuberculose. Em Londres, onde lhe fora encomendada a ópera Oberon, morreu.

 

Der Freischütz é a obra principal de Weber. O assunto foi tirado de um livro sobre superstições populares e ofereceu oportunidade para fazer música autenticamente popular, música demoníaca e música da natureza. Weber é, muito mais que qualquer outro compositor, o pioneiro e criador do Romantismo na música. Sua música também é tão autenticamente alemã que muitas das melodias da ópera se transformaram em canções populares.

 

Outras obras. A segunda ópera, Euryanthe (1823), sofre da desvantagem de um libreto confuso. É raramente representada, mas sobrevive a abertura, tão brilhante como a do Freischütz. A última ópera, Oberon (1826), é obra fascinante de exotismo oriental, tipicamente romântica. Weber também escreveu muita música para piano, obras como a popularíssima Aufforderung zun Tanz (1820; Convite à dança), que introduziu a valsa na música, e o brilhante Konzertstück em fá menor (1821), para piano e orquestra, uma das obras prediletas do Romantismo musical. Das suas muitas outras composições é notável o Concerto nº2 para clarinete e orquestra, Op. 74. Também escreveu sonatas para piano, um quinteto com clarinete, e missas.

 

Influência. Embora Weber não pertença ao pequeno grupo de compositores de primeira categoria, é imensa sua importância histórica. Com ele começa o Romantismo musical na Alemanha, e sua influência sobre Wagner foi decisiva: do Freischütz descende o Navio fantasma, e de Eryanthe descende o Lohengrin. Na França foi Berlioz muito influenciado por ele, assim como as óperas pseudo-românticas de Meyerbeer. Em todos os países europeus, notadamente na Dinamarca, na Rússia, Polônia, Boêmia e Hungria, foi a música de Weber um catalisador que inspirou o nacionalismo musical.

 

 

 

Fonte: Enciclopédia Mirador Internacional