ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

BRITTEN, EDWARD BENJAMIN (1913-1976)

Última modificação : Quarta, 12 Junho 2013 13:47


 

INGLÊS - MÚSICA MODERNA EUROPA - 267 OBRAS

 

Britten foi o único compositor britânico desde Elgar a ter amplo renome internacional. Sozinho, criou uma escola de ópera britânica e legou um amplo corpo de música instrumental e vocal, que deu vida nova às formas e harmonias consagradas da música ocidental.

 

 

Vida. Compositor inglês, autor de óperas que renovaram o gênero, Edward Benjamin Britten nasceu a 22 de novembro de 1913, em Lowestoft, Suffolk, e morreu em Aldeburgh, Suffolk, em 04 de dezembro de 1976. Talento precoce, de 1930 a 1933 estudou no Royal College of Music, onde compôs seu primeiro coral, A Boy was born.

 

Projeção. Benjamin Britten trabalhou como compositor para rádio, cinema e teatro. Conquistou reputação internacional, com Variações sobre um tema de Frank Bidge, Op.10, para orquestra de cordas, apresentadas pela primeira vez no festival de Salzburgo de 1937. Em 1939 esteve nos Estados Unidos, onde escreveu a opereta Paul Bunyan (1941), seu primeiro trabalho para o palco, com libreto do poeta W.H.Auden, seu companheiro em outras obras. De volta à Inglaterra em 1942, concluiu a ópera Peter Grimes, que, estreada em 1945, o colocou na primeira linha dos compositores modernos. Radicou-se em Suffolk, onde criou o English Opera Group, do qual nasceu o festival de Aldeburgh.

 

Obras. Todas as composições de Britten evidenciam esforços para ultrapassar os limites do convencional. A vontade permanente de experimentar, combinada com a recusa do estilo grandioso da ópera do século XIX, deu bons resultados. Escreveu: The Rape of Lucretia (1946; A Violação de Lucrécia), sua primeira ópera de câmara; Albert Herring (1947); Billy Budd (1951); Gloriana (1953), realizada para a coroação da rainha; The Turn of the screw (1954; A Volta do parafuso); A Midsummer night´s dream (1960; Sonho de uma noite de verão). Britten usou frequentemente vozes de meninos em suas partituras de coro, a fim de obter uma sonoridade fresca e natural. Suas óperas revelam talento dramático e perícia em combinar as situações com a forma musical mais adequada.

 

Duas fontes importantes para Britten foram o teatro medieval e a música oriental. O primeiro transparece em Noye´s fuddle (1957; O Dilúvio de Noé). A influência oriental manifesta-se no balé The Prince of the pagodas (1957; O Príncipe dos pagodes). As duas correntes se uniram em Curlew river (1964; O Rio Curlew), e, a seguir, em The Prodigal son (1968; O Filho prodígio), que deram nova direção à sua concepção de música para teatro. Embora os textos dramáticos sejam frequentemente a fonte de sua inspiração, seus trabalhos instrumentais não podem ser postos em segundo plano. O mais importante entre eles é a Sinfonia em ré para violoncelo e orquestra (1963). Importantes são também as canções, as cantatas e as obras corais, como o War requiem (Réquiem de guerra), composto em 1961 e apresentado em 1962. Escreveu em 1971 Owen Wingrave, a primeira ópera especificamente destinada à televisão.

 

 

 

Fonte: Enciclopédia Mirador Internacional