ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

PERGOLESI, GIOVANNI BATTISTA (1710-1736)

Última modificação : Sexta, 25 Julho 2014 18:21


 

ITALIANO - ERA BARROCA - 30-80 OBRAS

 

Vida. Compositor italiano, Giovanni Battista Pergolesi nasceu em Jesi, perto de Ancona, a 04 de janeiro de 1710 e morreu em Pozzuoli a 16 de março de 1736. Fez seus primeiros estudos no Conservatório dei Proveri, em Nápoles, onde teve como um dos seus mestres Francesco Durante (1864-1755), mestre da transição do estilo sacro para o estilo operístico. Ali Pergolesi conquistou fama como virtuose no violino e como compositor de oratórios. Em 1734 foi indicado para maestro di capella. Como operista não alcançou muito êxito, com exceção das óperas bufas. Tuberculoso, retirou-se para o convento dos capuchinhos em Pozzuoli, onde viveu seus últimos dias.

 

Caracterização. Pergolesi foi antigamente chamado de "Mozart italiano", exagero que já não prevalece nos dias de hoje. Em vida o compositor alcançou raros sucessos e nunca foi reconhecido como grande mestre. Após sua morte cresceu uma lenda romântica em torno dele, com várias fantasias hoje desmentidas. Isso se deve ao fato de ter morrido muito jovem. Também se mistificou muito sobre sua obra, criando-se dois partidos: o de um entusiasmo extravagante que levou àquela comparação com Mozart, e o de uma depreciação injusta, que considerou sua obra uma confusão absurda de vários estilos. No século XX Pergolesi é julgado com mais exatidão, ocupando o seu lugar de precursor do Classicismo vienense. A música de Pergolesi recebeu uma curiosa homenagem no século XX através de pastiches de sua obra no balé Pulcinella, de Stravinsky.

 

Obras. Pergolesi ficou conhecido, inicialmente, como autor de dois oratórios que não foram muito bem recebidos. Tampouco fez sucesso a sua primeira ópera séria. Mas foi grande êxito a ópera bufa Lo Frate ´nnamorato (1732; O Frade enamorado), e, contraditoriamente, uma missa em ré, executada em Roma no mesmo ano. No ano seguinte, sua nova ópera séria Il Prigioner superbo (1733; O Prisioneiro orgulhoso) foi recebida friamente. Mas despertou grande entusiasmo um intermezzo cômico escrito para um dos intervalos dessa ópera.

 

Esse intermezzo é hoje representado como obra autônoma: La Serva padrona (A Criada patroa) é uma pequena obra-prima em que aparecem só dois personagens, a criada audaciosa e o patrão que é conquistado. Seu sucesso em Paris, em 1752, muito depois da morte de Pergolesi, foi enorme. Tornou-se o modelo da ópera cômica italiana, francesa e espanhola, e é até hoje a mais popular obra de Pergolesi.

 

Ao compositor se atribuem muitas peças cuja autenticidade é duvidosa. Ainda é hoje muito executado o seu Stabat Mater (1736), que deu razão a muitas controvérsias. Adversários da música de Pergolesi censuraram a leviandade melódica de alguns trechos, que lembram a ópera cômica, e deram preferência ao Stabat Mater de Emmanuele de Astorga (1680-1755), obra de 1707.

 

A mesma divergência não existe em torno do Salve Regina (1736), que parece ter sido a última obra de Pergolesi, e que se caracteriza como música de caráter quase fúnebre, em sua devoção elegíaca. Pergolesi é também hoje particularmente apreciado pela música instrumental dos trio-sonatas (1731), em que se insufla algo do cantábile italiano. Essas são as obras precursoras de algumas características do estilo instrumental de Haydn.


 

 

 

 

Fonte:

Enciclopédia Mirador Internacional