ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

TOSCANINI, ARTURO (1867-1957)

Última modificação : Quarta, 20 Janeiro 2016 14:55



 

Parma, 25 de março de 1867; Nova York, 16 de janeiro de 1957

 

Regente italiano. Após estudar no Conservatório de Parma, iniciou sua carreira artística como violoncelista. Sua estreia na regência foi no Rio de Janeiro, aos 19 anos de idade. Enquanto apresentava Aida, na sua turnê pelo Rio de Janeiro em 1886, Leopoldo Miguez, o maestro principal, atingiu o ápice de uma escalada de conflito com os músicos a tal ponto que os cantores entraram em greve, forçando o empresário da companhia a procurar um maestro substituto. De última hora, os músicos sugeriram que Toscanini regesse a orquestra. O público foi tomado de surpresa, num primeiro momento, pela juventude deste desconhecido maestro, e em seguida, pela sua sólida mestria. O resultado foi uma aclamação surpreendente. Toscanini regeu dezoito óperas até o fim da temporada.

 

Ao voltar para a Itália, trabalhou em Turim, onde apresentou a estreia de La bohème (1896) e foi um adepto da música de Wagner.

 

Como diretor musical do La Scala, a partir de 1898, preocupou-se em mostrar a ópera como uma arte dramática integrada. Foi diretor artístico do Met, 1908-1915, apresentando a estreia de La faciulla del West (1910). Durante os anos 20 sua carreira mais uma vez concentrou-se no La Scala, tendo feito turnês pela Europa e América do Norte com a orquestra do teatro. No La Scala, ele tinha o que era o mais moderno sistema de iluminação cênica, que foi instalado em 1901 e também um fosso orquestral, instalado em 1907. Toscanini insistia que as performances tinham que ser escurecidas.

 

Toscanini favoreceu a tradição orquestral em que os primeiros violinos e os violoncelos ficam à esquerda, as violas à direita e os segundos violinos na extremidade da direita, no fosso orquestral.

 

Uma carreira de sucesso em Bayreuth e Salzburgo foi interrompida pela ascensão do nazismo.

 

Em 1936 regeu o concerto inaugural da Orquestra Sinfônica da Palestina, em Tel-Aviv, e deu concertos memoráveis com a Orquestra Sinfônica da BBC em Londres, 1935-1939. Foi regente principal de uma combinação das orquestras Filarmônica e Sinfônica de Nova York e suas interpretações foram notabilizando-se pela clareza, precisão e intensidade. Em 1937, regeu a recém formada Orquestra da NBC, com a qual permaneceu até seu último concerto, em 1954, e realizou a maioria de suas gravações.

 

Apresentou interpretações dinâmicas e soberbamente disciplinadas de Brahms, Verdi e Beethoven. O respeito pelas intenções dos compositores era o cerne da sua arte.

 

Com a ajuda do seu filho Walter, Toscanini passou seus últimos anos editando fitas e transcrições de seus desempenhos com a Sinfônica NBC.

 

Toscanini morreu com 89 anos de idade, devido a um acidente vascular cerebral em sua casa, em Riverdale na Cidade de Nova Yok, no dia 16 de Janeiro de 1957. Seu corpo retornou a Itália e foi enterrado no Cemitério Monumental em Milão. Em seu testamento, ele deixou sua batuta para a sua protegida, a soprano Herva Nelli. Toscanini foi postumamente premiado com o Grammy Lifetime Achievement Award em 1987.




 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Dicionário Grove de Música, Edição Concisa, 1994 - Edição Língua Portuguesa, Jorge Zahar Editor

wikipedia.org

Página acessada em 20/01/2016.